Conheça 1ª mulher a ser promovida a tenente-coronel na Polícia Militar da Bahia


Nível hierárquico, nunca antes ocupado por uma mulher, está um abaixo da patente máxima
Na sala em tons brancos que, já à primeira vista, lembra um consultório, poucos detalhes dos trajes da pediatra Ana Fernanda de Borja Gonçalves Dantas, 54 anos, a identificam como médica. A roupa, por si, indica: é uma policial.

As duas estrelas douradas [além da prateada] sobre a placa de platina na parte superior do uniforme, no entanto, anunciam que Fernanda não é só uma das 4.848 do efetivo total de policiais militares, mas a primeira mulher promovida a patente de tenente-coronel da corporação na Bahia. O nível hierárquico, nunca antes ocupado por alguém do sexo feminino, coloca Fernanda a um passo do poder que tem o coronel, ou ‘coronel fechado’, maior patente da Polícia Militar.

Ana Fernanda pertencia a um grupo também restrito da comunidade militar feminina: ela era uma das 35 majores atuantes em territórios baianos, ao lado das policiais Denice Santiago, comandante da Ronda Maria da Penha, Maria Cleudi Milanezi, da Barra, e Patrícia Barbosa, do Rio Vermelho. Se levado em consideração o número total de militares da Bahia (31.788), é como se, para cada 100 policiais, apenas 15 fossem mulheres.

A cerimônia de mudança da patente, realizada no último dia 7 de maio, no Quartel do Comando Geral (QCG), no Largo dos Aflitos, marcou o momento em que a “ficha caiu” para a tenente-coronel, médica, bacharel em Direito e mestranda em Administração Pública.