Atirador da Nova Zelândia transmitiu ataque a mesquita pelo Facebook


Vídeo mostra caminho até o templo, a chegada ao local e os primeiros tiros contra fiéis. Ao menos 49 pessoas morreram em dois atentados simultâneos

Um dos dias mais sombrios da história da Nova Zelândia. Foi assim que a primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, descreveu os atentados que deixaram ao menos 49 mortos em duas mesquitas de Christchurch, a terceira entre as mais populosas cidades neozelandesas, nesta sexta-feira, 15 (noite de quinta no Brasil).

Os templos de Masjid Al Noor (onde morreram 41 das 49 vítimas) e Linwood sofreram ataques simultâneos por volta das 13h40. Um deles foi parcialmente transmitido ao vivo pelo Facebook.

As imagens circularam amplamente nas redes sociais, mesmo com a remoção do perfil que as publicou pouco depois do atentado. Aparentemente feito por um dos atiradores, o vídeo mostra o caminho até a mesquita de Al Noor, a chegada ao local e os primeiros tiros que atingiram pessoas aleatoriamente.

A filmagem online, cuja captura pareceu ser de uma câmera presa à cabeça do atirador, começa com ele dirigindo enquanto ouve música. Após estacionar, o homem pega duas armas e anda uma curta distância até a mesquita. Durante cinco minutos, ele atira repetidamente em fiéis, deixando mais de uma dúzia de corpos em apenas um cômodo. Ele retorna ao carro para trocar de arma e depois volta para a mesquita para aparentemente atirar em vítimas que ainda mostrassem sinais de vida.

O vídeo mostra ainda os fiéis, tanto os possivelmente mortos quanto os feridos, encolhidos no chão.

Um homem que disse estar na mesquita afirmou à imprensa que o atirador era branco, loiro e usava um capacete e um colete à prova de balas. E que o homem invadiu a mesquita enquanto os fiéis estavam ajoelhados para orar.

“Ele tinha uma arma grande. Ele chegou e começou a atirar em todos na mesquita, em todos os lugares”, afirmou Ahmad Al-Mahmoud, que junto a outras pessoas, escapou por uma porta de vidro.

Outra testemunha, ainda com sangue na camisa, disse em uma entrevista à TV que se escondeu do atirador debaixo de um banco e rezou para que as balas acabassem. “Eu estava apenas orando a Deus e esperando que nosso Deus, por favor, fizesse esse cara parar”, disse Mahmood Nazeer à TVNZ. “Os disparos continuaram e continuaram. Uma pessoa que estava com a gente estava com uma bala no braço. Quando os tiros pararam, eu olhei sobre a grade, havia um cara, trocando sua arma.”

De acordo com a polícia, 41 pessoas foram mortas na mesquita de Al Noor, sete em uma mesquita no bairro de Linwood e uma no hospital. Segundo unidades de saúde, crianças estavam entre as vítimas.

Fonte: Veja.